Home Destaques ‘Reoneração de combustíveis é decisão acertadíssima’, diz Gustavo Loyola

‘Reoneração de combustíveis é decisão acertadíssima’, diz Gustavo Loyola

441
0

O ex-presidente do Banco Central do Brasil e diretor-presidente da Tendências Consultoria, Gustavo Loyola, declarou,

O economista comentou também a expectativa para a votação da reforma tributária e seus reflexos sobre o consumo, uma das principais metas para 2023 da equipe do ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT).

"A reforma tributária é fundamental para acelerar o crescimento econômico. Se bem feita, ela vai reduzir os custos para as empresas operarem no Brasil e vai favorecer os investimentos e o crescimento econômico", disse. que a retomada da cobrança dos impostos sobre combustíveis é "uma decisão acertadíssima" do Ministério da Fazenda.

“Acho que é uma decisão acertadíssima. Não apenas porque não há espaço fiscal [para manter a suspensão da tributação]. Seria [em caso contrário] uma sinalização negativa do ponto de vista do compromisso do governo com o resultado fiscal menos negativo este ano. Então, foi positivo por isso”, afirmou Loyola.

"Também foi positivo porque estamos tratando de combustível fóssil e, realmente, não faz muito sentido ter incentivo ao consumo desse combustível, principalmente para o transporte individual", continuou, em entrevista ao GloboNews Em Ponto.

Para Loyola, aplicar uma alíquota diferenciada para o etanol é acerto duplo, já que se trata de um combustível não fóssil e “muito menos poluente”. “O Brasil tem essa vantagem e a gente tem de se aproveitar dela.”

Na avaliação do economista, que presidiu o Banco Central em dois períodos diferentes – ao longo dos governos Itamar Franco e Fernando Henrique Cardoso –, a perspectiva para a economia brasileira em 2023 “não é de crise”, mas de atividade “desaquecida”.

“De fato, este ano o crescimento vai ser menor. Isso em função de vários fatores: menor crescimento global, taxas de juros no Brasil mais altas, política monetária restritiva. No ano passado, a economia ainda foi beneficiada pelos efeitos da reabertura pós-Covid, principalmente no setor de serviços”, continuou Loyola.

O ex-presidente do BC ressaltou que, em 2023, esse processo de reabertura não estará presente. Para ele, o crescimento deve ficar na casa do 0,9% neste ano, “no máximo 1%”.

"O BC não tem espaço para reduzir juros. Isso é um fator que deve manter a economia mais desaquecida. Não vamos ter um ano de crise, mas um ano de baixo crescimento da economia brasileira", disse Loyola.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here