Home Destaques Número de empresas de serviços ativas no país encolhe em quase 15...

Número de empresas de serviços ativas no país encolhe em quase 15 mil em 2020

362
0

O número líquido de empresas ativas no setor de serviços caiu 1,1% no primeiro ano da pandemia, de 1,383 milhão em 2019 para 1,368 milhão em 2020. A diferença é de quase 15 mil companhias (14.544). Os dados são Pesquisa Anual de Serviços 2020 (PAS 2020), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A maior perda foi registrada nas empresas que prestam serviços principalmente às famílias. O total de unidades caiu 14,3% entre 2019 e 2020, passando de 417,6 mil para 357,8 mil, uma diferença de 59,8 mil empresas. No segmento de transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio, foram mais de 10 mil empresas fechadas: o número passou de 176,9 mil em 2019 para 166,8 mil.

Quando se compara a um horizonte mais longo de tempo, frente ao ano de 2011, houve um aumento de 23,4% do número de empresas do setor de serviços em 2020. Naquele momento, o total era de 1,109 milhão, número que passou para 1,368 milhão em 2020.

As empresas do setor registraram, em 2020, R$ 1,8 trilhão em receita operacional líquida e R$ 1,1 trilhão de valor adicionado. A pesquisa não traz informações deflacionadas sobre faturamento e por isso não há comparação com o ano anterior. Ao todo, essas empresas reuniam 12,5 milhões de trabalhadores, que receberam um total de R$ 373,5 bilhões de salários, retiradas e remunerações.

Pandemia tira dos transportes liderança entre os serviços em 2020

O primeiro ano da pandemia alterou a estrutura de geração de receitas entre os diferentes segmentos de serviços. Os serviços de transportes, auxiliares aos transportes e correio perderam a liderança, já que a participação na receita operacional líquida de serviços, que era de 29,1% em 2019, caiu para 28,1% em 2020.

Por outro lado, os serviços profissionais, administrativos e complementares ampliaram sua parcela de 26,7% em 2019 para 28,4% em 2020 e se tornaram o segmento líder entre os sete que compõem os serviços.

Para além dos transportes, outro segmento com retração expressiva na geração de receitas na passagem entre 2019 e 2020 foi o de serviços prestados principalmente a famílias – com queda de 11,8% para 9,2%.

“A atividade de serviços é muito heterogênea e os segmentos se adequaram de forma diferente à pandemia. As atividades mais intensivas em presença, com caráter presencial para sua realização, tiveram um impacto mais negativo, enquanto outras sem essa característica não tiveram tanto impacto”, afirma o analista da pesquisa, Marcelo Miranda.

A perda de participação do segmento de transportes se insere nesse contexto de caráter presencial, puxado pelo transporte de passageiro, afetado tanto por conta do avanço do home office, que tirou muitos trabalhadores do percurso casa-trabalho, quanto pela retração do turismo. Dentro do grupo de transporte, destacam-se como exceção aqueles ligados a cargas.

Por outro lado, serviços profissionais, administrativos e complementares são atividades mais compatíveis ao esquema de trabalho de home office, que avançou por causa da necessidade de isolamento social, explica Miranda.

“O ano de 2020 teve um impacto relevante nas atividades de serviços profissionais e, ao mesmo tempo, de forma negativa nos serviços de transportes e nos prestados às famílias. Dentro de serviços profissionais, temos escritórios de consultoria, de contabilidade, de arquitetura e outros, que se adequaram bem ao período do home office”, diz ele.

No olhar por atividades dentro de cada segmento – são 34 acompanhadas pelo IBGE na Pesquisa Anual de Serviços (PAS) -, os maiores aumentos de participação se deram em serviços técnico-profissionais – fatia passou de 10,3% em 2019 para 11,4% em 2020 – e em transporte rodoviário de cargas – de 11% para 12,1%, respectivamente. Também avançou a parcela dos serviços auxiliares, dos seguros e da previdência complementar na receita operacional líquida, de 4,9% em 2019 para 5,6% no ano seguinte.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here