Home Destaques Juros altos podem trazer piora no desempenho do PIB em 2023

Juros altos podem trazer piora no desempenho do PIB em 2023

397
0

O Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil cresceu 0,4% no 3º trimestre deste ano na comparação com os três meses imediatamente anteriores, segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O resultado confirma os sinais de desaceleração da economia brasileira, e a expectativa do mercado é que a atividade tenha um crescimento mais tímido no ano que vem. Segundo o último relatório “Focus”, divulgado pelo Banco Central do Brasil(BC), a estimativa é que o PIB cresça apenas 0,70% em 2023.

Mas o que justifica a queda no crescimento?

Para o economista-chefe da Análise Econômica Consultoria, André Galhardo, a principal causa dessa desaceleração é a restrição ao crédito, limitado por uma Selic (taxa básica de juros) a 13,75% ao ano.

O Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil cresceu 0,4% no 3º trimestre deste ano na comparação com os três meses imediatamente anteriores, segundo dados divulgados nesta quinta-feira (1º) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O resultado confirma os sinais de desaceleração da economia brasileira, e a expectativa do mercado é que a atividade tenha um crescimento mais tímido no ano que vem. Segundo o último relatório “Focus”, divulgado na segunda-feira (28) pelo Banco Central do Brasil(BC), a estimativa é que o PIB cresça apenas 0,70% em 2023.

Mas o que justifica a queda no crescimento?

Para o economista-chefe da Análise Econômica Consultoria, André Galhardo, a principal causa dessa desaceleração é a restrição ao crédito, limitado por uma Selic (taxa básica de juros) a 13,75% ao ano.
As incertezas sobre as contas públicas também influenciam?

Outro fator que também pode influenciar na atividade econômica do próximo ano são as contas do governo, tema que agora está no centro das atenções do mercado. Até o momento, a principal espera é pelo texto final da Proposta de Emenda á Constituição (PEC) da Transição. A PEC, que prevê um estouro de cerca de R$ 198 bilhões fora do teto de gastos em 2023, já aguarda pela análise da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado.

“O volume de gastos permitidos pela PEC da Transição traz um risco, em nossa visão, caso ocorra uma piora na percepção de risco fiscal por parte dos investidores. Isso elevaria as taxas de juros locais e depreciaria o câmbio, o que resultaria em maior inflação, juros altos por mais tempo e, consequentemente, um menor crescimento”, explica o economista-chefe da nova Futura Investimentos, Nicolas Borsoi.

Por outro lado, ele destaca que caso o texto final da PEC preveja um estouro menor do teto de gastos, há chances de que o Banco Central consiga cortar a Selic, abrindo espaço para uma possível melhora nas perspectivas de juros. “A interação entre as políticas fiscal e monetária será o principal fator para a performance da economia em 2023”, acrescenta Borsoi.

E o cenário externo?

Não é apenas o ambiente interno que pode influenciar a economia brasileira. Segundo os economistas consultados pelo g1, apesar de indícios de arrefecimento da inflação nos Estados Unidos e na Europa, a China ainda preocupa. A economia do país segue desacelerando, em meio ao avanço da Covid-19 em território chinês.

Segundo Galhardo, os casos da doença no país indicam que o governo pode endurecer ainda mais as medidas de contingenciamento e distanciamento social, o que tende a fazer com que a economia da região desacelere ainda mais.
Nesse caso, o impacto para o Brasil viria pelo comércio internacional. A desaceleração pode acabar diminuindo a demanda do gigante asiático, que é o maior comprador de commodities no mundo, e afetar a balança comercial brasileira. E isso sem contar a possível retração da oferta por parte da China, que também resultaria em uma importação mais cara.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here